Como preparar-se para um trabalho de Interpretação Simultânea?

Tempo de leitura: 3 minutos

Como se preparar bem para um evento?

O preparo de uma profissional da Interpretação Simultânea

15 DE FEVEREIRO DE 2020 / ROSARIO GARCIA

Por Rosario Garcia

Você é estudante de interpretação ou intérprete iniciante? Este texto pode ajudá-lo a pensar no seu preparo para um trabalho.

É bastante comum encontrarmos colegas tradutores que acabam por “especializar-se” em determinada área: comercial, literário, acadêmico, engenharia, etc., mas na área de interpretação, fazemos trabalhos sobre temas que não temos, de fato, conhecimento. Assim, nos tornamos mais generalistas. Eu, particularmente adoro essa faceta da profissão de intérprete.

Uma das diferenças entre Tradução e Interpretação é o momento em que a “lição de casa” acontece: com a Tradução, fazemos uma busca prévia de fontes e dicionários, mas boa parte da pesquisa sobre terminologia e expressões acontece simultaneamente à execução do trabalho. Na interpretação não é bem assim… É necessário que se faça uma pesquisa sobre o assunto, sua terminologia e expressões ANTES do trabalho em si pois não há tempo para isso durante a execução da interpretação, mesmo tendo um concabino extra ágil.

Internet: miríade de fontes

Nos dias de hoje, com uma miríade de fontes online, pesquisar tornou-se bem mais fácil. Veja abaixo algumas dicas que podem ser úteis. Não seguem uma ordem rígida, mas mostram um caminho…

  • O mais importante é informar-se sobre o assunto. Procure por arquivos científicos da área. Artigos acadêmicos mesmo. Para esse fim, o Scielo é excelente. Ele é um repositório de artigos acadêmicos de absolutamente todas as áreas de conhecimento. Selecione ao menos três artigos tanto na língua de partida, quanto na de chegada.
  • Abra um documento de Word, ou Excel, e monte uma tabela, coisa simples: quatro colunas: termo na língua de partida, exemplo, termo na língua de chegada, exemplo. Algo assim:
Termo da língua de partida (ex: inglês) Exemplo Termo da língua de chegada (ex: português) Exemplo
       
       
  • Ao ler esses artigos, selecione os termos que você já percebe como específicos. Quando ler os textos na outra língua, com certeza encontrará seus equivalentes. Dependendo da área, há um número razoável de cognatos verdadeiros.
  • A partir daí, é só preencher a tabela, transportando para ela os termos que encontrou. Depois de ter lido praticamente seis artigos dessa área, você certamente terá um número interessante de termos, além de estar mais familiarizado com o assunto.
  • Uma outra ideia é buscar por glossários online sobre o tema. Sempre haverá almas caridosas que divulgaram algum glossário de alguma área. Há muitos dicionários monolíngues, você pode buscar glossários nas duas línguas e fazer o cruzamento de termos
  • Procure por vídeos sobre o assunto no Youtube. Há aulas de universidades ou palestras sobre os mais diversos temas.

    @ internet
  • A empresa ou o palestrante tem website? Visite-o! Muitas empresas possuem seus websites também em inglês ou em espanhol. Não tem? Sem problema, há outras semelhantes, por exemplo, uma “empresa especializada em XYZ”, que é exatamente o que você precisa para esse evento.
  • Se tiver também recebido os slides da apresentação, você terá uma excelente fonte de vocabulário para o evento em questão.
  • Faça uma pequena lista com os dez termos mais frequentes encontrados durante sua pesquisa, ou nas apresentações que recebeu. Se são frequentes, com certeza serão mencionadas pelo orador. Divida ou monte essa lista com o seu concabino e deixe-a bem visível na cabine durante o trabalho.
  • Vale lembrar que obter o material da palestra nem sempre será a resposta para seus problemas, pois muitas apresentações, especialmente em Powerpoint, trazem apenas imagens, sem absolutamente nada de texto. 

Depois disso, você estará um pouco mais relaxado para o trabalho e ele fluirá de maneira natural.

Bom trabalho!

Rosario Garcia, além de Intérprete de Conferências e membro do Catálogo Premium de Intérpretes, possui Mestrado em Educação, é Especialista em Tradução pela USP, e docente de Interpretação no Bacharelado em Tradução e Interpretação da Universidade Católica de Santos – Unisantos-SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *